erva_crop_right
espedito_seleiro
erva_crop

Não é à toa que o cearense Espedito Velozo de Carvalho é conhecido como Espedito Seleiro. O artesanato com couro que lhe dá fama até hoje está no sangue da família há gerações, primeiro com seu bisavô, depois com Gonçalves Seleiro, seu avô, e, por último, com Raimundo Seleiro, seu pai, principal professor, e por décadas um dos mais renomados artesãos do estado. Apesar de ser hoje um nome conhecido na moda nacional, com trabalhos em parceria com marcas como Cavallera e desfile na São Paulo Fashion Week, o nome Seleiro ganhou fama inicialmente com seu pai, muito por causa da seguinte história.

Nos anos 1930, Raimundo já tinha uma boa experiência no trabalho com couro fabricando selas, cintos e vestimentas usadas por boiadeiros da região de Nova Olinda, na região do Cariri. Um dia, apareceu um senhor em sua loja com uma encomenda peculiar: sandálias de couro de sola quadrada. Mesmo sem experiência em sapataria, Raimundo acabou aceitando a encomenda e, dias mais tarde, quando o mesmo senhor voltou para buscar os produtos, o artesão descobriu a verdade. Ele havia realizado um pedido feito por Lampião em pessoa, e que agora estava adornando os pés não apenas do famoso cangaceiro, mas também de Maria Bonita e de seu bando. A fama de bom artesão, ganha com a ilustre encomenda, cresceu pelo Ceará, incentivando Raimundo a criar uma série de outros produtos.

Ao longo dos anos, além de levar adiante o legado do pai, Espedito Seleiro se desenvolveu ele mesmo como um dos maiores mestres do artesanato em couro no país. Em sua oficina, localizada também em Nova Olinda, entre filhos, genros, noras e sobrinhos, trabalham hoje 22 artesãos. Eles fabricam sapatos, bolsas de diversos tamanhos, cintas, chapéus de vaqueiro e outros produtos, todos em couro costurado a mão. Os padrões coloridos, uma das marcas de seu trabalho, foram inspirados pelas vestimentas dos ciganos que passavam pela região. Elas dão aos produtos um visual ao mesmo tempo tradicional e muito moderno. Em 2014, Espedito (hoje com 78 anos) criou em sua cidade o Museu do Couro, com a intensão de manter vivo o legado de seu trabalho e o de seus antepassados