SUL

A Região Sul é a menor dentre as cinco principais regiões brasileiras. Contudo, mesmo estendendo-se por apenas 577 mil Km2, divididos entre os estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, ela é hoje uma das áreas economicamente mais desenvolvidas do país.

O desenvolvimento cultural do Sul está basicamente ligado à história do colonizador europeu branco. Longe dos centros comerciais mais importantes formados ao longo dos primeiros séculos após o descobrimento do Brasil, como Bahia, Rio de Janeiro e Minas Gerais, a colonização tardia do Sul acabou trazendo para lá uma quantidade muito pequena de escravos negros, propiciando pouco espaço para o desenvolvimento dessa cultura na região. Ao mesmo tempo, os constantes confrontos das tribos indígenas locais com os imigrantes europeus e sul-americanos vindos para ocupa-la acabaram gerando o extermínio quase completo dos índios da região. Essas duas características postas juntas criaram um ponto no Brasil onde essas duas culturas são virtualmente ausentes, destoando profundamente do restante do país.

Diferente de outras regiões, o Sul recebeu grandes levas de imigrantes italianos, portugueses, poloneses, eslavos e, principalmente, de alemães, que procuravam condições melhores nas terras brasileiras que as que possuíam em seus países. A presença maciça de brancos, somada à ausência de tradições índias e negras, desenvolveu um artesanato local muito semelhante ao encontrado na Europa. Das vestimentas típicas à culinária, passando pelo trabalho em madeira, tecelagem, tapeçaria e cerâmica, todos os temas e padrões comuns do artesanato sulista carregam essa forte influência.